Homem que ateou fogo em morador de rua é eleitor de Bolsonaro.

 

Mais um “cidadão de bem” sendo preso?
O homem que ateou fogo em um morador de rua na madrugada desta terça-feira (18) em uma das ruas mais movimentadas de Santos, no litoral de São Paulo, foi preso durante a tarde e teve o perfil no Facebook encontrado pela nossa equipe. Na

foto do perfil, Franciel Santos Silva, de 27 anos, usa um tema para comemorar a vitória do presidente eleito “Jair Bolsonaro”. Ele foi detido em casa e confessou o crime dizendo que o rapaz havia roubado o celular dele. Já a vítima teve queimaduras de segundo grau e está internada na Santa Casa.

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto
O caso aconteceu na avenida Pedro Lessa, no bairro Embaré, por volta das 5h. Moradores acordaram com o barulho de uma discussão entre dois homens. Franciel xingava e agredia o morador de rua. Em um vídeo gravado por uma testemunha é possível ouvir o agressor dizendo que o homem havia roubado o celular dele. O homem negava.
Depois de agredir a vítima Franciel pegou a moto e foi até um posto de gasolina próximo. Ele comprou um galão com combustível e voltou até o lugar onde o morador de rua estava e continuou com as ameaças. O jovem já havia jogado etanol no morador de rua e, com um isqueiro ateou fogo nele.
Nas imagens é possível ver a vítima correndo com a cabeça e o corpo em chamas. Já o criminoso foi andando calmamente até a moto. A testemunha que gravou as imagensregistrou boletim de ocorrência e entregou o vídeo à polícia. O caso foi registro no 3º DP de Santos.

Em SP, gestão tucana cobrará R$4,25 na tarifa de Metrô, ônibus e trens da CPTM

Doria-Alck-840x491.jpg

A tarifa do transporte público de São Paulo irá subir para R$ 4,25 em 2019, segundo informações do Bom Dia São Paulo. O aumento será válido para as passagens de ônibus, Metrô e trens da Companhia Paulista de Trens metropolitanos (CPTM).

O reajuste deve entrar em vigor no dia 6 de janeiro. Neste ano, o valor unitário dos bilhetes foi de R$ 4.

O índice de inflação da Fipe neste ano foi de 3,63%. Se o aumento refletisse o índice, o valor da passagem seria de R$ 4,14. No entanto, os governos municipal e estadual alegam que esse valor dificultaria o troco. Além disso, eles argumentam que o valor unitário do bilhete de R$ 4,25 não repõe as perdas.

Do G1

O Médium, a Pastora e o Capitão Messias

Céli Pinto (*)

Via: SUL21

Os três personagens do título podem ser analisados partir de várias entradas: caráter; saúde mental; charlatanismo político. Mas vou deixar a tentação de falar deles de lado, porque estou convencida de que o mais importante é entender as razões do sucesso e da popularidade desses personagens no Brasil do século XXI.

Por que grande quantidade de pessoas, de diferentes origens sociais, culturais ou ideológicas, iam até Abadiânia em busca de solução para seus problemas? Por que imensos templos estão lotados, ouvindo pessoas descontroladas que ameaçam as congregações com o demônio, se dizendo ungidas por Deus para com ele ter interlocução direta? Por que 56 milhões de brasileiros e brasileiras votaram um em candidato para a presidência da República que nunca disse a que veio e, nas raras vezes em que se manifestou, falou de violência e de cortes de direitos que atingem os mais pobres, os menos protegidos, as mulheres, os negros, os sem terra, os indígenas, a população LGBT, todos e todas que dependem de políticas sociais para sobreviver?

Alguma razão explica a facilidade com que o médium, a pastora e o capitão messias interpelam grandes massas com tanta facilidade? Explicar por que as pessoas buscam e acreditam no médium talvez possa ser um modelo para entender a congregação que ouve a pastora e os que elegeram o capitão messias. As pessoas que chegam ao médium podem, em sua imensa maioria, ser divididas em dois grandes grupos: ou estão em grande sofrimento psíquico ou com uma grave enfermidade que as deixam muito próximas da morte. Nas duas situações há uma desorganização importante nos discursos que lhes organizavam a vida. Antes de chegarem ao médium, foram sujeitos de discursos amorosos, de discursos da meritocracia, da vida saudável. Mas, em um certo momento, pode haver um radical desencaixe discursivo: as pessoas não se sentem acolhidas como sujeitos e como agentes de nenhum desses discursos. O mesmo acontece com os que são acometidos de graves enfermidades, quando enfrentam a finitude, e a ciência médica não mais lhes garante a vida. Como todos vamos morrer, parece óbvio que, em um certo momento, a ciência não nos garantirá a vida, mas isto fica muito longe do razoável,quando atinge a subjetividade de cada um.

Este sujeito desencaixado, que não encontra lugar para sua sobrevivência psíquica ou da própria vida nos discursos que fizeram sentido ao longo de sua existência, identifica no discurso místico, do milagre, do transcendental, a possibilidade de reordenar a vida e reconstruir o seu lugar de sujeito. E isto é conseguido pelas mãos do médium. É tão forte este tipo de discurso que até os mais céticos, frente a um tipo desclassificado como João de Deus, às vezes não têm coragem de apontar a fraude.

O mesmo desencaixe discursivo parece explicar as grandes congregações pentecostais, este evangelismo de resultados que prolifera nas cidades brasileiras. Nesta circunstância, às crises desestruturantes do eu psíquico soma-se a crise dos discursos que relacionam o pertencimento de cada um à sua comunidade de sentido. Os fiéis são migrantes de zonas pobres ou rurais que estão desenraizados nas grandes cidades; são pais, mães e filhos sem ferramentas para enfrentar novos arranjos familiares e novas formas de vida; são trabalhadores e trabalhadoras para os quais o mundo do trabalho fecha as portas. Os discursos pentecostais do bem contra o mal, a possibilidade da redenção no encontro com o divino em um árvore frutífera livra os crentes da ameaça de topar com o poderoso satanás a cada esquina e reorganizada assim a vida, dando uma certeza para cada ato da vida, nas relações afetivas, na família, no trabalho. O mundo complexo e discursivamente anárquico é trazido à transparência através de certezas expressas em mantras repetidos em transe em grandes templos, sob o comando de algum iluminado que diz ter íntima relação com o divino.

Estes momentos místicos, representados pelo médium e pela pastora, são recorrentes na história da humanidade e dizem muito da relação dos humanos com sua própria condição de seres conscientes de sua finitude e insignificância frente ao tempo do universo. A novidade é o comércio da miséria humana sob a forma capitalista. Médiuns, pastores e outros quaisquer, capazes de articular o discurso da esperança, facilmente se tornam parte da classe dos novos milionários do capitalismo financeiro global, pessoas com imensas fortunas que não têm qualquer relação com o sistema produtivo, mas são parasitas que podem ser agrupados sob o rótulo de celebridades.

Mas o fenômeno da implosão discursiva não para no surgimento do médium e da pastora, ele também dá pistas para explicar fenômenos como o capitão messias, eleito presidente do Brasil.

Antes de avançar no argumento, uma rápida digressão. Seria cômodo atribuir a vitória do capitão ao crescimento mundial de uma ideologia política de extrema-direita. Mas, mesmo sem desconsiderar o cenário internacional, as questões internas apontam para muitas possibilidades explicativas, entre elas a que se relaciona, por décadas, ao êxito do médium ou à ascensão da pastora.

De 2013 a 2018, o Brasil viveu um continuo esgarçamento do conteúdo do discurso que lhe deu sentindo desde a redemocratização na década de 1980. Das chamadas Jornadas de Junho, em 2013, às eleições de 2018, um conjunto de acontecimentos estraçalhou os discursos políticos que davam sentido à jovem democracia brasileira, transformando-os em centenas de fragmentos dispersos, sem articulação. Alguns acontecimentos se destacam do conjunto: a memória recente dos escândalos de corrupção que envolveram os governos Lula desde 2005 e minaram a capacidade de interpelação do discurso petista; a ruptura do PSDB com o pacto democrático, não aceitando o resultado das eleições das urnas em 2014 e liderando o movimento que provocou a queda da presidenta Dilma Rousseff em agosto de 2017; a criminalização da política através da operação Lava Jato, que combinou o estrelismo de um juiz e alguns procuradores e com a transformação de uma figura execrada na história brasileira em herói: o delator.

De um país com dois partidos muito bem estruturados, o PT e o PSDB, que se alternavam na presidência da república, com partidos de centro circulando ao redor dos grandes e pequenos partidos nos dois extremos que montavam o quadro, o discurso político brasileiro se reduziu a um amontado de ladrões disputando as melhores fatias das riquezas nacionais. O resultado mais pungente foi a desqualificação da política e a morte do sujeito político, o eleitor da democracia, que se forjara desde a década de 1980.

Nada é mais forte para descrever este sujeito perdido do que fotos das manifestações de rua, quando frequentemente se pode ver um cidadão sozinho, com um cartazete feito à mão em que está escrito: “eles não me representam”. Estas circunstâncias asseguram as condições de emergência ótimas para o discurso simplificador, que reorganiza o sujeito a partir de consignas violentas, interpelando os sentimentos mais emocionais possíveis, de vingança, de medo à diferença, trazendo para a linha de frente militares e pastores, revivendo medos atávicos da população brasileira (como o contra o comunismo, seja isto o que for na cabeça de cada um). Prometendo morte e cadeia para contraventores que provocam a violência urbana ou roubam os cofres públicos, o capitão messias interpela a população através do discurso da ordem, que parece colocar cada significado em seu lugar, sem deixar possibilidade para a dúvida, desejando convencer a todos de que estaremos longe do mal para sempre.

O médium, a pastora e o capitão messias são as respostas à desorganização discursiva frente à morte, a solidão, a descrença nas soluções políticas. Todos organizam sujeitos em crise, todos têm soluções mágicas e fáceis. Todos contam com a benevolência das instituições estabelecidas, com a boa vontade de muitos que nem creem no médium, na pastora, ou no capitão messias.

(*) Professora Titular do Departamento de História da UFRGS.

Médium João de Deus se entrega à polícia em Goiás

O médium João de Deus se entregou à polícia na tarde deste domingo (16). O Tribunal de Justiça de Goiás acatou o pedido do Ministério Público de Goiás (MP-GO) e determinou a prisão do médium goiano na última sexta-feira.

Ele é alvo de denúncias de abusos sexuais. Mais de 300 mulheres afirmam ter sido vítimas do religioso, segundo o MP-GO. Entretanto a defesa de João nega.

O Ministério Público (MP) do Estado de Goiás confirmou neste domingo (16) a informação de que o médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, retirou R$ 35 milhões de contas e aplicações financeiras após as primeiras denúncias de abuso sexual.

Precisamos apoiar YouTubers progressistas

Com a invasão da extrema direita nas mídias digitais, espalhando desinformação e discurso de ódio, apoiar canais progressistas se tornou uma ação extremamente necessária por aqueles que se preocupam com a história e a democracia.

Por isso, segue uma lista bem eclética e que será de grande utilidade. Vamos compartilhar não apenas no Facebook, mas também por WhatsApp e Twitter, e prestigiar mais os canais que produzem material de qualidade no YouTube.

CANAIS DE YOUTUBERS PROGRESSISTAS OU DE ESQUERDA

HUMOR PROGRESSISTA

CANAIS DE SITES PROGRESSISTAS E DE ESQUERDA

CANAIS  LIGADOS A COMUNIDADES INDÍGENAS

Deseja ter o seu canal incluído? Teve seu canal incluído na lista, mas deseja que ele seja retirado? Deseja criticar alguma indicação ou fazer sugestões? Deixe a sua mensagem nos comentarios.

João de Deus é considerado foragido e entra na lista da Interpol

Prisão preventiva de João de Deus havia sido autorizada no fim da manhã da sexta; médium deve se entregar neste domingo

Via: ESTADÃO

ABADIÂNIA – O médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, acusado de uma série de abusos sexuais contra mulheres, é considerado foragido da Justiça e seu nome foi incluído na lista da Interpol. A prisão preventiva contra ele havia sido decretada no fim da manhã de sexta-feira, 14. O prazo para que se entregar terminou às 14 horas deste sábado, 15. João de Deus deve se entregar neste domingo, 16. O Estado apurou que a data foi definida em uma negociação entre a polícia e a defesa do médium.

“Já foi concedido um prazo, buscas já foram realizadas. Estão reunidos todos os elementos para que ele seja considerado foragido da Justiça”, disse o coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal, Luciano Miranda Meireles.

A Polícia Civil suspeita que ele esteja fora de Goiás. Nas negociações realizadas neste sábado, uma das hipóteses era de que agentes fossem até o local onde ele está para fazer a prisão e o transporte até Goiás. Em virtude da idade (ele tem 76 anos) e da natureza do crime de que é acusado, a expectativa é de que ele fique em uma cela individual.

A prisão preventiva contra o líder espiritual foi decretada no fim da manhã de sexta. Integrantes do grupo destacado para fazer a investigação e as negociações, no entanto, ainda colocam em dúvida se o acerto será de fato cumprido. Para eles, a defesa do médium deverá aguardar o resultado do pedido de habeas corpus.

Se a medida for concedida antes de ele se apresentar, seria possível evitar um desgaste ainda maior para o médium, que atrai anualmente para a cidade goiana de Abadiânia 120 mil fiéis – 40% deles estrangeiros.

O advogado de defesa de João de Deus, Alberto Zacharias Toron, no entanto, afirmou em entrevista que seu cliente vai se entregar antes da apresentação do habeas corpus. A ação será proposta na segunda.

Uma vez preso, João de Deus seria levado para Goiânia, onde deve acontecer o interrogatório. “Será longo, detalhado. Há um grande número de relatos e informações que precisam ser questionadas”, afirmou o delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes de Almeida. O delegado, porém, disse não descartar que o médium não esteja mais em Goiás.

O MP de Goiás também investiga eventual movimentação suspeita de recursos financeiros, como transferência de dinheiro das contas de João de Deus. Transações financeiras desse tipo poderiam indicar intenção de ocultar valores e reduzir as chances de pagamento de indenização às vítimas. Segundo o jornal O Globo, João de Deus retirou R$ 35 milhões após as primeiras denúncias.

Desde que a prisão preventiva foi decretada, a Polícia Civil afirma já ter procurado João de Deus em mais de 20 endereços. Os locais já investigados estão sob sigilo. “Há pontos que também estão sendo vigiados”, disse Almeida.

Só após ele se entregar, a defesa de João de Deus deverá apresentar o pedido de habeas corpus. A expectativa é que a defesa explore o que o advogado Alberto Zacharias Toron classifica como “pequeno número de depoimentos” usados pela Justiça para fundamentar a decretação da prisão preventiva, o que poderia indicar fragilidade de provas.

Há a possibilidade, ainda, de que a espiritualidade atribuída a João de Deus seja usada na argumentação. Para a defesa, a intolerância religiosa poderia incentivar o grande número de denúncias, muitas das quais ainda não formalizadas.

A tendência é de que os advogados procurem mostrar o médium como um homem rústico, simples, de personalidade multifacetada e que, muitas vezes, seria guiado por recomendações de guias espirituais. Em suma, viveria com uma lógica pouco convencional.

O momento em que o País vive também deverá ser incluído. Para advogados, depois de quatro anos de operação que trouxe denúncias contra uma série de pessoas públicas, um crime contra um candidato à presidência seriam fatores para aumentar a tendência de “denuncismo” e “polarização”.

João de Deus foi visto em público pela última vez nesta quarta, quando visitou a Casa Dom Inácio de Loyola, onde faz os atendimentos. Em um pronunciamento de poucos minutos, disse ser inocente e estar à disposição da Justiça.

Denúncias

O líder espiritual é suspeito de ter abusado sexualmente de mulheres, durante consultas particulares realizadas no centro onde presta atendimento espiritual, a Casa Dom Inácio de Loyola em Abadiânia, no interior de Goiás. Na aparição que ele fez na quarta-feira, no local, ele fez um rápido pronunciamento em que se declarou inocente e disse que está à disposição da Justiça.

Dois dias depois que os primeiros relatos de abuso vieram a público, após divulgação no programa Conversa com Bial, da Globo, o Ministério Público formou uma força-tarefa encarregada de investigar os casos. Já foram coletados mais de 330 depoimentos em vários Estados do País, Do total, 30 mulheres já formalizaram as acusações. Mulheres que se dizem vítimas também se apresentaram em seis países.

João de Deus atendia cerca de 10 mil pessoas por mês, das quais 40% são estrangeiras. As mulheres relatam que, depois do atendimento em grupo, eram convidadas para uma consulta individual, onde os abusos seriam cometidos. O MP afirma ainda que quatro funcionários são suspeitos de ter envolvimento nos crimes. O MP afirma ainda que quatro funcionários são suspeitos de ter envolvimento nos crimes.

Natal

A mulher de João de Deus, Ana Keila Teixeira, apareceu em público na manhã deste sábado, durante uma festa de distribuição de brinquedos para crianças carentes de Abadiânia e pediu que todos rezem para que a verdade prevaleça. Ela não concedeu entrevista.

Patrocinada todos os anos pelo médium, a festa é considerada um dos acontecimentos de Abadiânia, cidade a 112 quilômetros de Brasília. Um toldo é estendido em frente da casa do líder espiritual e brinquedos são dispostos na rua. Depois do almoço, há distribuição de bonecas, bolas e outros brinquedos.

Todos os anos, cerca de 2 mil pessoas participam do evento. Nesta edição, no entanto, a movimentação ficou muito abaixo da média, com cerca de 200 pessoas, a maioria crianças.

Emissora francesa elege Bolsonaro o “Mais Racista” e o “Mais Misógino” de 2018

Via: ParanáPortal/UOL

O presidente eleito Jair Bolsonaro recebeu, no último dia 30 de novembro, os prêmios de “Mais racista” e “Mais misógino” de 2018 promovidos pelo programa Je t’aime de uma emissora francesa de televisão.

Bolsonaro teve discursos exibidos ao lado de outras figuras públicas internacionais como o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, a cantora irlandesa Sinéad O’Connor, que se converteu ao islã e mudou o nome para Shuhada’ Davitt, entre outros, na France TV.

Entre os discursos selecionados estão a polêmica discussão com a deputada Maria do Rosário e um trecho de uma entrevista exibida no programa CQC, da TV Band, em 2011, em que responde uma pergunta da cantora Preta Gil sobre a reação dele caso um dos filhos tivesse um relacionamento com uma mulher negra. Na ocasião, Bolsonaro disse “não corro esse risco, e meus filhos foram muito bem educados e não viveram em um ambiente como, lamentavelmente, é o teu”.

O presidente eleito também concorreu a “Ignorante do Ano”, mas o prêmio da categoria ficou com o cantor Kanye West.

 

Veja o vídeo completo:

‘O juiz Sérgio Moro está orientado por Deus’, afirma João de Deus, médium goiano

Religioso atende 1,5 mil pessoas por dia

Via: Mídia MAX

Ao entrar no pátio da Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, sob o sol a pino, parece que mergulhamos em um outro tempo. Saímos da cidadezinha do interior de Goiás e ingressamos em um espaço onírico. As figuras vestidas de branco movem-se lentamente e com extremo cuidado. Cada passo, cada gesto ou movimento é calculado meticulosamente. A razão da cautela e do silêncio reverencial é que os visitantes têm consciência de estar pisando em um território sagrado.

Os frequentadores formam uma comunidade internacional de brasileiros, norte-americanos, chineses, alemães e franceses, entre outros. Tudo gravita em torno do médium goiano João de Deus, reconhecido internacionalmente na condição do maior curador vivo da atualidade. Para milhares de pessoas do mundo inteiro, ele é John of God.

Com a colaboração de uma corrente espiritual de voluntários, João de Deus atende, em média, 1.500 pessoas por dia, todas as quartas, quintas e sextas-feiras. A corrente de voluntários ajuda na incorporação de entidades e na execução de cirurgias espirituais que desafiam e colocam em questão os limites da ciência racionalista. O fato é que inúmeros testemunhos atestam a eficácia das intervenções de João em pessoas desenganadas pela medicina oficial: “Nunca atendi ninguém. Quem atende é Deus. Nunca curei ninguém. Quem cura é Deus. Eu sou só o mensageiro”.

As salas imaculadamente brancas exalam a fragrância de ervas aromáticas. Na Casa Dom Inácio de Loyola, João recebe tanto personagens anônimos, quanto celebridades nacionais e internacionais, sem distinguir credo, cor ou religião. A lista de visitantes inclui Oprah Winfrey, a mais famosa apresentadora da televisão americana, o cantor Paul Simon, o ex-presidente Lula, a atriz Giovanna Antonelli, o ministro do STF Luís Roberto Barroso, entre outros. Todos têm de obedecer às regras, pegar as filas, se alimentar da mesma comida e calçar as sandálias da humildade.

No ano passado, João enfrentou mais uma dura prova: venceu um câncer agressivo e superou a doença. Quinta-feira passada, ele recebeu o Correio para uma conversa. Mas não espere uma entrevista convencional. Aos 74 anos, João de Deus se movimenta livremente inspirado pela vontade, pela intuição ou pelas orientações das entidades que recebe.

Provoca, brinca, se comove, chora, ri e inverte as posições de entrevistado e entrevistador. Não fala de política, mas, de repente, emenda uma opinião desconcertante: “O juiz Sérgio Moro está orientado por Deus”. João é afetuoso, divertido, bravo, bem-humorado e imprevisível. E parece animado por uma fé capaz de abalar montanhas de ceticismo: “Se você tem certeza de que tem Deus dentro de você, nada é impossível, tudo se resolve”.

Como era a vida do senhor em Brasília?
Eu e o dono de postos de gasolina, o senhor Braz Bueno, gostávamos muito de comer a feijoada que uma senhora do Rio de Janeiro fazia na W3 Sul. A vida era comer churrasquinho na casa do outro. Em Brasília, mexia com fazenda, perto de Taguatinga. Naquele tempo, todos invadiam as terras. Eram todas doadas pelo governo.

Continuar lendo: https://www.midiamax.com.br/brasil/2017/o-juiz-sergio-moro-esta-orientado-por-deus-afirma-joao-de-deus-medium-goiano/?fbclid=IwAR2N0-mNBTPgZQFprQzlFgo6bbLLJSTkW3Ha3TP0LEjzC6bBq0UrQKLycLE

Pastor da Universal é preso em operação da Polícia Federal no Acre

manuel-600x400.jpg

De Jarbas Aragão no site Gospel Prime.

Dois deputados eleitos foram presos na “Operação Santinhos”, deflagrada pela Polícia Federal no Acre. Nesta terça-feira (11), os policiais cumpriram 17 mandados de busca e apreensão em residências e gabinetes de investigados por desvios de recursos públicos.

Os dois deputados presos são do PRB. Doutora Juliana, eleita para a Assembleia Legislativa e o pastor Manuel Marcos, que é vereador, mas em 2018 foi eleito para a Câmara Federal.

Manuel Marcos também é pastor da Igreja Universal do Reino de Deus. Já foi coordenador do movimento Força Jovem do Estado do Acre. Desde 2009 é presidente do Partido Republicano do Brasil (PRB) no Estado do Acre.

Outras seis pessoas foram detidas hoje na ação de combate a desvios de recursos públicos do fundo partidário e fundo especial de financiamentos de campanha. Segundo o G1, a assessoria dos parlamentares não quis se pronunciar.

(…)

João de Deus: Vítima de abuso comete suicídio ao ver médium voltar ao trabalho, diz ativista

destaque-joao-de-deus.jpg

Desde de que o programa Conversa com Bial, da Globo, exibiu as primeiras denúncias contra o médium João de Deus, vítimas que teriam sido abusadas por ele não param de aparecer. Uma das mulheres, no entanto, teria se desesperado ao vê-lo voltar para o trabalho, nessa quarta-feira (12), e tirado a própria vida. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

De acordo com a publicação, a ativista social Sabrina Bittencourt contou que a família da vítima nunca acreditou nas denúncias feitas por ela e que todos eles são seguidores de João de Deus. Sabrina ainda explicou que foi orientada pelo advogado dela a não repassar detalhes sobre a morte da mulher. A ativista, segundo a Folha de S. Paulo, ficou bastante abalada com o suicídio e tem sido medicada desde que soube do caso. Ela foi a primeira a receber denúncias contra o médium.

João de Deus ficou famoso por realizar “cirurgias espirituais” em milhares de pessoas, algumas delas bem famosas – como é possível ver na foto em destaque acima. Juliana Paes, Xuxa e até mesmo a norte-americana Oprah Winfrey já se consultaram com ele. A mulher ao meio da montagem é a coreógrafa holandesa Zahira Lienike Mous, que aceitou mostrar o rosto para denunciar ter sido abusada pelo médium.

João de Deus pode ser preso

Acusado de abuso sexual, o médium João de Deus corre o risco de ser preso. Após sua tentativa de continuar atendendo nesta quarta-feira (12), o Ministério Público de Goiás apresentou no final da tarde, segundo apurou a Agência Brasil, o pedido de prisão preventiva. Dois promotores responsáveis pela força-tarefa que investiga mais de 200 denúncias contra o médium estiveram no Fórum de Abadiânia. O pedido deve ser analisado pela comarca local.

O advogado de João de Deus, Alberto Toron, disse o seguinte à Agência Brasil: “A informação que nós temos é que efetivamente o MP fez um pedido à Justiça, mas nós não conhecemos o teor desse pedido. Sem conhecer, eu não tenho como me contrapor a ele. Vou para Abadiânia amanhã mesmo ver se eu consigo avaliar esse pedido.”

Toron disse ainda ter reafirmado oficialmente às autoridades que seu cliente segue à disposição da Justiça para quaisquer esclarecimentos.

Área externa da Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia; e o médium João de Deus (Divulgação/Casa Dom Inácio de Loyola)

João de Deus é suspeito de abuso sexual contra mulheres e também adolescentes. Ele nega as acusações e se diz inocente. O balanço mais recente do MP-GO é de 206 possíveis vítimas.

O médium goiano também disse nesta quarta-feira que está à disposição da Justiça brasileira. Ele esteve nessa quarta, por dez minutos, na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO), onde realiza, há 42 anos, consultas e aconselhamentos espirituais, além das chamadas cirurgias espirituais. Ele chegou e saiu sob aplausos, afirmando estar sem condições de trabalhar. Circularam informações de que o religioso chegou a voar para São Paulo a fim de se aconselhar com Toron. O advogado do médium nega essa informação. “O senhor João de Deus continua em Abadiânia à disposição das autoridades locais”, afirmou.

“Irmãos e minhas queridas irmãs, agradeço a Deus por estar aqui. Quero cumprir a lei brasileira. Estou nas mãos da Justiça. O João de Deus ainda está vivo”, declarou o médium.

Com Agência Brasil